segunda-feira, 23 de abril de 2012

Operação realiza 31 autuações por poluição sonora

A Polícia Civil divulgou nesta segunda-feira (23) os resultados finais da operação “Angerona”, de combate à poluição sonora, na região metropolitana de Belém. Realizada neste final de semana, a ação policial resultou em 31 autuações de proprietários de estabelecimentos, aparelhagens sonoras e veículos particulares. Estiveram em atuação policiais civis, da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (Dema), e militares do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), da Polícia Militar, que percorreram mais de dez bairros, como Guamá, Jurunas, Terra-Firme, Marambaia, distritos de Icoaraci e Outeiro, e município de Ananindeua. Os procedimentos foram encaminhados para a Dema onde foram lavrados TCOs (Termos Circunstanciados de Ocorrência) pelo delito ambiental.

Na noite de sábado, a equipe policial comandada pela delegada Virgínia Nascimento procedeu à autuação de 18 locais como bares, residências e veículos em situação de poluição sonora. Os policiais flagraram o condutor de um carro particular com equipamento de som instalado no porta-malas do veículo em volume acima do permitido, em frente a uma loja de conveniência, no conjunto residencial Maguary, em Ananindeua. Os policiais apreenderam a máscara do equipamento de som do carro. Já, no domingo, durante a tarde e a noite, 13 intimações foram emitidas nos distritos de Outeiro e Icoaraci.

De acordo com o delegado Waldir Freire, da Dema, responsável pela coordenação da operação no domingo, os principais problemas verificados quanto à poluição sonora ocorreram em Outeiro. Conforme o delegado, um dos problemas verificados foi o tráfego indisciplinado de motos, principalmente de condutores de mototáxi, no calçadão destinado aos banhistas. Para o delegado, será necessário realizar ações mais frequentes no local para disciplinar o tráfego de veículos no local. Ainda, durante a operação, na área da orla de Icoaraci, em um restaurante, uma banda tocava ao ar livre incomodando a vizinhança. O proprietário alegou que não sabia que era preciso obter licença (alvará) para contratar a banda no local. O local foi autuado por poluição sonora. A operação vai prosseguir em outras áreas da região metropolitana com objetivo de reprimir a incidência de poluição sonora. O nome "Angerona", que denomina a operação, é uma referência à deusa romana do silêncio. (Ascom Polícia Civil)

0 comentários:

Postar um comentário